20 Fev

DS-SP: Auditores- Fiscais repudiam sucateamento da estrutura do Ministério do Trabalho

Publicada em: 20/02/2018

Superintendente afirma que serviços de limpeza e recepcionistas serão restabelecidos até o fim desta semana 

Por Solange Nunes, com informações da DS/SP

Edição: Nilza Murari 

Cerca de 80 Auditores-Fiscais do Trabalho de São Paulo, em oito unidades, em Assembleia Geral Local Extraordinária nesta segunda-feira, 19 de fevereiro, repudiaram o sucateamento da estrutura da sede da Superintendência Regional do Trabalho de São Paulo – SRT/SP e de várias Gerências Regionais, além da suspensão da prestação dos serviços de recepcionistas e de limpeza. A reunião foi convocada pela Delegacia Sindical do Sinait de São Paulo – DS/SP e ocorreu no auditório da rua Martins Fontes, 109, na capital paulista. Após a assembleia, uma comitiva conversou com o superintendente da SRT/SP, Eduardo Anastasi. 

O delegado sindical do Sinait em São Paulo, Rodrigo Iquegami, cobrou soluções para os problemas de sucateamento da estrutura da Superintendência e denunciou a interrupção dos serviços de limpeza desde o dia 9 de fevereiro nas Gerências de Araraquara, Campinas, Itapeva, Jundiaí, Piracicaba, São Carlos, São José dos Campos e Sorocaba. 

“É absurdo que os Auditores, incumbidos de zelar pela higiene e saúde nos ambientes nas empresas, não disponham sequer de banheiros limpos nos seus locais de trabalho. Isso em Gerências que, se somadas, superam a maioria dos Estados da Federação em número de habitantes”. 

O superintendente Anastasi informou que já celebrou contratos aditivos que permitirão o restabelecimento imediato do serviço de limpeza para as Gerências de Araraquara, São Carlos e Sorocaba. Comprometeu-se a restabelecer o serviço de limpeza nas demais unidades antes do término da semana. 

Ações de enfrentamento

Segundo Rodrigo Iquegami, após o encontro com o superintendente, os representantes da DS/SP decidiram suspender as ações de enfrentamento até sexta-feira, 23 de fevereiro. “Esperamos o restabelecimento do serviço de limpeza plenamente até o término da semana e permaneceremos articulados”. 

Ele analisou a situação e acredita que é preciso construir soluções. “A Delegacia Sindical não deve se limitar a ‘apagar incêndios’. Já é hora de promover uma discussão séria sobre a estrutura material e administrativa da Superintendência”, finalizou Rodrigo Iquegami.