01 Jul

GO: Auditores-Fiscais embargam obra em Goiânia por risco à saúde de operários

Publicada em: 01/07/2020

Por Solange Nunes, com informações da SRT/GO
Edição: Nilza Murari
 
Auditores-Fiscais da Superintendência Regional do Trabalho em Goiás – SRT/GO embargaram, no dia 26 de junho, a obra de construção do corredor Leste/Oeste, entre a Rua 74, no centro de Goiânia, até a Rodovia GO-403, que dá acesso a Senador Canedo (GO). Na obra, havia 40 operários em situação de risco para a saúde e segurança frente ao advento da pandemia da Covid-19.
 
Os Auditores-Ficais do Trabalho Bruno Costa e Roberto Mendes verificaram entre as irregularidades a falta de medidas preventivas relacionadas ao coronavírus e o risco de soterramento de trabalhadores em atividades de escavação e construção de galerias pluviais.
 
Nas medidas de risco a saúde por contaminação pela Covid-19, os Auditores observaram que os trabalhadores tomavam água no bico das garrafas térmicas, as quais eram compartilhadas. Havia ainda aglomeração durante as refeições e ausência de água e sabão para lavagem das mãos e de instalações sanitárias. Foram constatadas também deficiências na orientação aos trabalhadores sobre a pandemia de Covid-19 e no fornecimento de máscaras e de álcool em gel.
 
Os trabalhadores executavam atividades de nivelamento e de montagem de redes pluviais, em escavações de até seis metros de profundidade, ao lado de aterros – taludes, sem as necessárias medidas técnicas de contenção, o que representava riscos de desmoronamento e, consequentemente, de soterramento dos trabalhadores.
 
Outra irregularidade era a falta de sinalização e de proteção das valas, situação que coloca em perigo não só os trabalhadores da obra, mas também os pedestres.
 
De acordo com Sebastiana Batista, superintendente interina da SRT/GO, a obra foi paralisada e somente após adoção das medidas preventivas relacionadas no Termo de Embargo poderá ser feito o levantamento da medida restritiva.
 
Neste período, as obras de construção do viaduto da Marginal Botafogo também foram fiscalizadas e não foram embargadas, uma vez que as condições estavam dentro do que exige a legislação.​