19 Mai

SINAIT leva contribuições ao seminário “Transporte socialmente responsável” realizado pelo MPT

Publicada em: 19/05/2022

A exposição trouxe os primeiros resultados de uma operação voltada à saúde dos motoristas profissionais

Por Cristina Fausta

O Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais do Trabalho (SINAIT) participou do Seminário “Transporte Rodoviário socialmente responsável”, promovido pelo  Ministério Público do Trabalho (MPT), em Brasília, nesta quarta-feira (18/5). O sindicato foi representado pela Auditora-Fiscal do Trabalho Jacqueline Carrijo, que falou sobre boas práticas para evitar tragédias nas  rodoviárias. Na ocasião, ela apresentou os primeiros resultados da operação “Saúde e Segurança do Trabalho nas Estradas Salvam Vidas”, realizada no dia 10 de maio, na BR-060 em Anápolis, estado de Goiás.

Jaqueline Carrijo é coordenadora do Setor de Transportes e chefe da Seção de Inspeção do Trabalho da Superintendência Regional do Trabalho de Goiás (SRTb-GO) há 12 anos. Ela relatou que a referida operação aconteceu em conjunto com Secretaria de Estado da Saúde (SESGO), por meio da Superintendência de Vigilância em Saúde (SUVISA), do Serviço Social do Transporte/Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (SEST/SENAT), da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e outras entidades apoiadoras não governamentais.

A Auditora-Fiscal do Trabalho explicou que a ação é uma construção permanente, que vem sendo desenvolvida junto aos gestores, empregadores e trabalhadores. “O trabalho da fiscalização foi estrategicamente pensado com o objetivo de reduzir acidentes e garantir bem-estar para esses trabalhadores que carregam a riqueza nacional. Os problemas na área de saúde afetam os motoristas profissionais em razão da monotonia das atividades, da jornada de trabalho, que compromete o organismo de forma sistêmica, excesso de peso e de velocidade”, frisou.

Resultado

Toda a produção da Auditoria-Fiscal do Trabalho e dos demais órgãos na operação “Saúde e Segurança do Trabalho nas Estradas Salvam Vidas” é prova para a fiscalização do trabalho. As empresas abordadas foram notificadas e, em dois meses, serão alcançados 200 CNPJs e dois mil trabalhadores, em onze meses.

“Na pista, fizemos testagem de Covid-19, de doenças sexualmente transmissíveis, vacinação, prestamos serviços públicos aos trabalhadores, inclusive de escuta ativa. Os motoristas nas estradas morrem não só de colisão, mas há infartos, AVC,  e outros problemas de saúde e riscos psicossociais que impactam no número de acidentes”, expôs a Auditora-Fiscal.   

A operação contou com a presença de médicos do trabalho e clínicos e enfermeiros. Este pessoal estava preparado para situações de socorro, pois há casos em que o motorista necessita de transporte imediato para uma unidade de saúde.  Jaqueline Carrijo explicou que os dados coletados são essenciais para o Programa de Gerenciamento de Riscos e de Gerenciamento de Riscos Ocupacionais, o PGR/GRO das empresas.

Falta de pessoal

A exposição também trouxe dados preocupantes a respeito da falta de reposição dos quadros da Auditoria Fiscal do Trabalho. Jaqueline Carrijo falou sobre os desafios e dificuldades enfrentados pelas equipes de fiscalização no cumprimento de sua missão institucional, que é salvar vidas, neste caso, daqueles que trabalham no transporte rodoviário de passageiros e cargas.

A apresentação demonstrou o tamanho dos desafios enfrentados pelas equipes de fiscalização de trabalho. O Brasil é o quarto país com maior número de acidentes no mundo. A Auditora-Fiscal do Trabalho trouxe dados do Observatório Nacional de Segurança Viária. Ficou demonstrado que a violência atinge meio milhão de pessoas por ano. A cada minuto, uma pessoa fica inválida e, a cada 12 minutos, uma morre no país.

Confira a íntegra do seminário aqui.