19 Mai

Presidente do SINAIT participa do evento Manifesto Cultural do filme Pureza na Câmara dos Deputados

Publicada em: 19/05/2022

Por Solange Nunes
Edição: Andrea Bochi

O Manifesto Cultural “Pureza: combate ao trabalho escravo no Brasil hoje” foi o tema da audiência, nesta quarta-feira, 18 de maio, na Comissão de Cultura, da Câmara dos Deputados, em Brasília. O evento contou com a participação do presidente do SINAIT, Bob Machado, e do produtor e roteirista do filme Pureza, Marcus Ligocki, obra que teve o apoio do Sindicato Nacional em sua realização. A audiência foi requerida pela deputada Professora Rosa Neide (PT/MT), presidente da Comissão de Cultura.

Na audiência, coordenada pelo deputado Túlio Gadelha (Rede/PE), a temática trabalho escravo, presente no filme, foi reiterada pelo parlamentar que lembrou de encontros, reuniões e palestras com representantes do SINAIT. “Em algumas reuniões, o Sindicato apresentou denúncias, dentre elas, falta de recursos para que os Auditores-Fiscais do Trabalho pudessem chegar à ponta e efetuar a fiscalização de fato”. Esses e outros assuntos dentro da temática trabalho escravo foram contados, analisados e refletidos durante o encontro na Comissão de Cultura.

Bob Machado disse que o deputado Túlio Gadelha, em várias ocasiões, apresentou-se como um parceiro de luta contra o trabalho escravo no Brasil. “Desde que assumiu seu mandato, o deputado tem lutado junto com o SINAIT para ampliar o orçamento da inspeção do trabalho a fim de permitir que os Auditores-Fiscais do Trabalho consigam atuar com mais eficiência e eficácia no combate a esse crime tão grave no nosso país e que foi tão bem retratado no filme Pureza”.

O presidente enfatizou ainda que, ao longo dos últimos anos, a Inspeção do Trabalho tem sofrido redução no seu quadro de Auditores-Fiscais do Trabalho. “São servidores públicos, que estão na ponta fazendo o combate ao trabalho escravo e a carreira apresenta hoje o menor quadro de Auditores dos últimos 30 anos”.

Em função disso, Bob Machado alertou para a diminuição do número de Auditores em campo. “Estamos com quase 50% dos cargos vagos de Auditores do Trabalho, categoria responsável pelo combate ao trabalho escravo e infantil, apuração de fraudes na legislação trabalhista, fiscalização à saúde e segurança no trabalho, entre outras prerrogativas”.

Neste relato, o presidente pediu aos deputados apoio “Contamos com o apoio dos deputados para a recomposição dos quadros para que possamos realizar ações mais eficientes a fim de proteger mais trabalhadores e também a sociedade”.

Pureza, uma história, várias realidades

Durante o debate do filme Pureza, Bob Machado reiterou a parceria do SINAIT, por meio de várias gestões, que se comprometeram com a produção da obra, como, as de Rosângela Rassy, Rosa Jorge, Carlos Silva, todos ex-presidentes e suas respectivas diretorias. “As gestões apoiaram o filme, sempre preocupados em esclarecer a importância do combate ao trabalho escravo para o conjunto da sociedade”, afirmou.

O produtor e roteirista do filme Marcus Ligocki, agradeceu ao diretor Renato Barbieri pelo convite para participar do projeto. “É o retrato de uma história importante, que tive a oportunidade de fazer parte. Também quero agradecer aos 93 parceiros, dentre eles, o SINAIT, pela contribuição que permitiu a realização deste projeto, que durou cerca de 15 anos”.

Ao final do encontro, a presidente da Comissão de Cultura, Professora Rosa Neide, disse que o filme Pureza é uma forma de retratar e dar luz a situação do trabalho escravo no Brasil. “O filme é mais uma forma de reflexão. O cinema e os áudios visuais são instrumentos que nós precisamos como mediação do conhecimento. Essa é minha experiência como professora. Este encontro é precioso e acredito que com o envolvimento de todos, podemos transformar a comissão num espaço aberto, democrático, de anuncio e de denúncia”.