12 Jul

Auditores-Fiscais resgatam dez pessoas em situação análoga à escravidão no Sul do Piauí

Publicada em: 12/07/2022

Com informações da SRT/PI

Dez pessoas que trabalhavam em situação análoga à escravidão em fazendas, em regiões rurais, nas cidades de Currais e Palmeira do Piauí, municípios do Sul do estado, foram resgatadas pelos Auditores-Fiscais da Superintendência Regional do Trabalho no Piauí (SRT/PI). A operação, que fiscalizou duas fazendas nas circunferências dos dois municípios, ocorreu de 22 a 30 de junho. Participaram ainda da ação representantes do Ministério Público do Trabalho. 

Numa fazenda na cidade de Currais, durante ação de 22 a 30 de junho, os Auditores-Fiscais resgataram seis trabalhadores, dentre eles, um adolescente de 17 anos. No município de Palmeira do Piauí, foram resgatados quatro trabalhadores, no dia 29 de junho. Os resgatados eram empregados nas fazendas, mas, não tinham registro nas carteiras de trabalho.  

De acordo com o Auditor-Fiscal do Trabalho Robson Waldeck, que participou da operação, a equipe encontrou várias irregularidades referente ao vínculo de emprego, situação de trabalho e moradia. “Os empregados foram encontrados sem carteira assinada, sem documento de exame médico admissional, não receberam equipamento de proteção individual, nem dispunham de material de primeiros socorros”.

Waldeck destacou ainda outras irregularidades, como, por exemplo, os trabalhadores dormiam em barracas improvisadas de plástico, em redes armadas ao relento, sem acessos as instalações sanitárias. “As necessidades fisiológicas eram feitas ao relento, ao céu aberto”. 

Além disso, informou ainda que os trabalhadores faziam as refeições sentados sobre pedras. “Os alimentos eram armazenados sem as mínimas condições de conservação. As refeições também eram preparadas em fogões improvisados nas pedras”.

Verbas rescisórias

Durante a ação fiscal, os empregadores pagaram as rescisões, conforme foi determinado pela fiscalização. Ocasião em que foram emitidas as guias de seguro-desemprego. 

Robson Waldeck disse que os empregadores foram autuados pelas irregularidades constatadas. “Ao finalizar a ação, a fiscalização do trabalho elaborará um relatório que será enviado para o Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Federal para as devidas providencias jurídicas iniciais cabíveis”.