10 Mai

RS: Fiscalização interdita máquinas e setores de empresa de alimentos em Camaquã

Publicada em: 10/05/2018

Por Andrea Bochi, com informações da GRT/Pelotas

Edição: Nilza Murari

Uma fiscalização realizada entre os dias 8 e 10 de maio, em Camaquã, no Rio Grande do Sul, determinou a interdição de máquinas e atividades da empresa Santalucia Alimentos Ltda, diante da constatação de risco grave e iminente à integridade dos trabalhadores. A ação foi realizada por uma força-tarefa da qual participaram os Auditores-Fiscais Fernando Leite, Humberto Masiglia, Marcio Cantos, Mauro Muller e Sérgio Garcia – da Gerência Regional do Trabalho em Pelotas – GRT/Pelotas, a Procuradora do Trabalho Rúbia Vanessa Canabarro e técnicos da Fundacentro/RS e do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura - CREA/RS.

Foram interditadas várias atividades da empresa. Na maioria delas os Auditores-Fiscais do Trabalho verificaram a inexistência de proteções fixas ou móveis que impedem o contato dos trabalhadores com as áreas de risco das máquinas. Constataram também a realização de serviços de manutenção e limpeza de telhado sem a utilização de cinto de segurança ligado à linha de vida com adequado sistema de ancoragem, assim como plataforma para movimentação dos trabalhadores.

As infrações citadas, por si só, expõem o trabalhador a riscos graves. Entretanto, as infrações encontradas pelos Auditores-Fiscais do Trabalho se multiplicaram pelos diversos setores da empresa.

Os trabalhadores, segundo relatório da equipe de Fiscalização, estavam expostos a vários riscos à sua integridade física. Dentre eles, risco de queda em altura, de serem atingidos por materiais pesados, de sofrerem fraturas e amputação de membros, esmagamentos, queimaduras, de serem atingidos por explosões e de morrerem devido à total falta de segurança nos locais de trabalho.

Em razão disso, foram interditadas as atividades de: movimentação de cargas nos setores de empacotamento e de expedição; movimentação de cargas com paleteiras manuais; serviços de entrada e permanência em Espaços Confinados; trabalho em altura; trabalhos em telhados (coberturas); oxicorte (maçarico) oxigênio/GLP; transportadores contínuos de materiais sobre os silos, sob as moegas e no setor de beneficiamento (helicoides, esteiras e fitas); 13 empacotadeiras 9 enfardadeiras no setor de empacotamento; tombadores hidráulicos tipo telescópico; serviços de entrada e permanência em espaços confinados; trabalhos em telhados (coberturas).

Para a retomada das atividades e sustação das interdições, a empresa deve corrigir as situações apontadas pelos Auditores-Fiscais do Trabalho e comprovar o cumprimento das exigências feitas durante fiscalização.