06 Set

Setembro amarelo: SINAIT participa de palestras sobre saúde mental dos servidores no ambiente de trabalho

Publicada em: 06/09/2019

Evento faz parte das atividades do “Setembro Amarelo” no Ministério da Economia e contou com o apoio do Sindicato 

Por Lourdes Marinho

Edição: Nilza Murari

A "Saúde Mental do Servidor no Ambiente de Trabalho" foi tema de uma roda de conversa para os funcionários do Ministério da Economia. O evento integra as atividades do “Setembro Amarelo”, que este ano tem como tema a prevenção do suicídio, e foi organizado pelo Programa Qualidade de Vida da Pasta com o apoio do SINAIT. O presidente do SINAIT, Carlos Silva, a vice-presidente Rosa Maria Campos Jorge e a diretora Vera Jatobá participaram da palestra no auditório do Ministério. 

Especialistas do Hospital Universitário de Brasília – HUB e do Centro de Valorização da Vida – CVV destacaram a necessidade da prevenção, ou seja, de atenção especial com o bem-estar e a saúde mental para não ter que lidar com situações críticas, a exemplo da depressão, que tem evoluído para situações irreversíveis, como o suicídio.  

Este ano, a campanha nacional enfatiza a necessidade de atenção especial com o bem-estar e a saúde mental das crianças e dos adolescentes. Um dos palestrantes, o psiquiatra da Infância e da Adolescência do HUB, André Salles, alertou que a prevenção tem que ser durante toda a vida e não somente no mês de setembro. Para o especialista, “buscar apoio é muito importante para superar as questões cotidianas que podem afetar a saúde mental e extrapolar em tentativas contra a vida”, alertou.  

Dados da Organização Mundial de Saúde – OMS apresentados por ele revelam que no mundo o suicídio já é a segunda causa de óbitos entre jovens de 15 a 29 anos. Em média, são registradas anualmente 800 mil mortes por suicídio no mundo. 

Em 2016, o Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde – MS do Brasil apontou 3.097 mortes de adolescentes e jovens de 10 a 29 anos no País.  

No geral, entre os problemas reais à faixa etária e que podem impactar na vontade dos jovens de viver estão drogas, abuso sexual, pressão por notas e discriminação. 

O psiquiatra do HUB e professor Internacional de Psicologia, Ricardo Faria Barros, enumerou a ausência familiar, ou seja, a falta de tempo dos pais para os filhos, como uma das queixas recorrentes entre os jovens que sofrem de depressão e que buscam ajuda em seu consultório.  

Saúde no trabalho

As mudanças no mundo do trabalho, com a precarização e fragmentação do trabalho, também foram apontadas pelo professor Ricardo Faria Barros como uma das causas que tem levado ao adoecimento das pessoas. Disse que o trabalho saiu das fábricas e invadiu a vida das pessoas ininterruptamente, deixando de ser central para ser hipercentral. “Vejo isso quando acompanho grupos de aposentados. Parece que o mundo caiu e a vida não existe mais”. 

O Darvinismo persecutório dentro das corporações, ou seja, a falta de tempo de adaptação para o trabalhador, a selva corporativa, com equipes menores e metas maiores, e o desencanto que leva à Síndrome de Burnout, também foram enumerados pelo estudioso como as causas que estão levando ao adoecimento de trabalhadores. “Vivemos sob a égide de auto desempenho, quando a gente está parado está descansando pra quê? Pra trabalhar. A gente não para mais, a gente não contempla mais”, avaliou. 

Excesso de tecnologia

O excesso de TV, celular e vida digital também foram apontados pelo psiquiatra Ricardo Barros como os vilões que estão levando as pessoas ao adoecimento. Segundo Barros, “essas atividades tiram o tempo e interesse para conexão com outras coisas legais que estão acontecendo na vida real”, pontuou. 

A infelicidade, o consumismo, o narcisismo digital e a ansiedade, entre outros males causados pelo uso excessivo de redes sociais, bem como o mercado da prosperidade na abordagem de algumas igrejas e cursos de coaching também estão entres as estatísticas que causam frustrações e adoecimentos das pessoas.  

A preocupação de servidores com a saúde no ambiente de trabalho pode ser constatada pelo número de participantes que lotou o auditório. Entre os servidores que participaram das atividades estão Socorro Medeiros, da Coordenação de Orientação e Promoção da Qualidade de Vida, e Maria Aparecida Fernandes Araújo, da Coordenação Geral de Desenvolvimento de Pessoas. 

Setembro Amarelo

Setembro é o mês de conscientização sobre a importância da prevenção do suicídio e, neste ano, a campanha nacional que marca as ações sobre o tema enfatiza a necessidade de atenção especial com o bem-estar e a saúde mental das crianças e dos adolescentes. 

O período foi escolhido porque 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Com o “Setembro Amarelo”, a ideia é promover eventos que abram espaço para debates sobre suicídio, além de divulgar o tema e alertar a população sobre a importância de sua discussão.