13 Ago

Na mídia: Jornal Extra divulga matéria em que entidades contestam estudo do Instituto Millenium

Publicada em: 13/08/2020

O Fonacate, que o SINAIT integra, é uma das entidades ouvidas e que também criticou o ataque aos servidores públicos  
 
Por Lourdes Marinho
Edição: Nilza Murari
 
O  Jornal Extra publicou nesta quarta-feira, 12 de agosto, a matéria Entidades rebatem estudo de instituto sobre despesa com servidores públicos. O Fórum Nacional de Carreiras Típicas de Estado – Fonacate é uma das entidades representantes de servidores públicos ouvidas pelo jornal, e considerou a manipulação dos dados uma grosseria contra o funcionalismo.
 
Ainda informou que já elaborou diversos estudos sobre os servidores públicos e levou ao conhecimento de autoridades e parlamentares.  “Condenamos esse ataque grosseiro, com erros de dados, do Instituto Millenium, porque é um desrespeito ao serviço público, justamente o que está no front de combate à pandemia e aos problemas sociais decorrentes dela aqui no Brasil. Da nossa parte, temos feito várias publicações técnicas para mostrar a realidade sobre o serviço público e é isso o que precisa ser discutido, e não essa manipulação maldosa dos dados sobre o serviço público”, disse o presidente do Fonacate, Rudinei Marques.
 
As entidades também criticaram a alegação de que o Estado é inchado com servidores públicos e não trata a defasagem de pessoal do serviço público como uma questão que reflete em problemas sociais.
 
Entenda o caso
No início desta semana, matérias veiculados no Jornal Nacional, da TV Globo, e na Globo News distorceram dados do serviço público, com base em um estudo do Instituto Millenium e em declarações distorcidas do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), para colocar a opinião pública contra o funcionalismo e justificar a reforma administrativa. Dizia que o Brasil gastou 13,7% do Produto Interno Bruto – PIB em 2019, cerca de R$ 930 bilhões, com servidores públicos federais, estaduais e municipais. Relembre aqui.
 
Também informou que a despesa com o servidor público civil ativo federal foi de R$ 350 bilhões, quando na verdade foi R$ 136 bilhões.
 
Veja a íntegra da matéria do Extra aqui.