19 Mai

RS: Fiscalização interdita atividades e máquinas em frigorífico de Passo Fundo

Publicada em: 19/05/2017

Auditores-Fiscais do Trabalho da Gerência Regional do Trabalho de Passo Fundo (RS) interditaram atividades e máquinas do Frigorífico Ragale, em Passo Fundo, que colocam em risco à saúde e integridade dos trabalhadores.

Entre os equipamentos e máquinas interditados estão uma lavadora/centrífuga localizada no setor de abate, uma serrafita no setor de desossa, uma máquina de afiar faca, uma caldeira, um misturador na sala de processamento, um moedor de carne no setor de processados, além de vasos de pressão do sistema de refrigeração e compressores de ar comprimido.

As atividades interditadas são as executadas nas plataformas metálicas elevadas, em todo setor do abate, na colocação do suíno na máquina depiladeira, e no chamuscador do setor de abate e de inspeção da carcaça e retirada da sangria de animais. 

Os perigos apontados pelos Auditores-Fiscais do Trabalho vão desde doenças ocupacionais a acidentes de trabalho com riscos de corte, amputação e morte por queda ou choque elétrico, entre outros.

No setor de processados, por exemplo, o moedor de carne está sem proteção na área de perigo, que permite o acesso das mãos do trabalhador ao local de moer a carne.

Em todo o setor de abate, os Auditores-Fiscais constataram irregularidades graves na segurança das plataformas metálicas elevadas. Faltam sistemas de proteção coletiva contra queda – algumas estão acima de dois metros caracterizando o trabalho em altura –, em ambiente úmido e escorregadio, com risco de queda e morte. Além disso, as escadas de acesso estão instaladas de forma inadequada, não permitindo o acesso seguro do trabalhador ao posto de trabalho.

Nas atividades de chamuscador do setor de abate o posto de trabalho não está adaptado às características psicofisiológicas dos trabalhadores, favorecendo a adoção de posturas nocivas, especialmente de mão, punho, cotovelo e ombros, entre outros perigos.

No chamuscador de suíno  também há risco de acidentes com queimaduras porque sua área não está isolada, inclusive serve de passagem para outros setores.

De acordo com o Auditor-Fiscal do Trabalho Mauro Müller, da Gerência Regional do Trabalho de Passo Fundo, para que as atividades sejam retomadas a empresa terá que corrigir as situações apontadas pela fiscalização do trabalho.

Participou também desta ação de fiscalização a Auditora-Fiscal do Trabalho Áurea Machado de Macedo. 

Mais Imagens



Menu